Anterior


AUTOCONTROLE PARA UMA VIDA FINANCEIRA SAUDÁVEL

17/05/2018

Anterior
17/05/2018
VENCENDO A PRODIGALIDADE
Por: Pr. Juanito

A prodigalidade é conhecida pela atitude desordenada como a pessoa utiliza os seus recursos financeiros. Normalmente, as pessoas pródigas gastam mais do que ganham, são descontroladas, compram aquilo que não precisam e se deixam levar mais pelas emoções do que pela razão. 

Quando conversamos com estas pessoas percebemos como não conseguem pensar nos prejuízos que a desordem financeira traz para a sua vida pessoal, familiar e social. Geralmente, o pródigo está tão iludido com a possibilidade de adquirir determinados produtos que acaba deixando-se levar pelos impulsos.

Nessa jornada de prodigalidade, na maioria dos casos, os valores pessoais são trocados e o que realmente é essencial acaba perdendo o seu valor para aquilo que é irrelevante.

Vejamos, por exemplo, o caso do filho pródigo na história contada por Jesus, ele estava com os seus valores totalmente distorcidos, ao ponto de considerar mais importante os recursos financeiros do que a família.

Podemos citar ainda a incapacidade em administrar com sabedoria os seus bens. Frequentemente, os envolvidos na prodigalidade não possuem a menor noção de como administrar aquilo que possuem e acabam gastando com coisas desnecessárias, compram sem olhar para a necessidade e não se preocupam em conferir o real valor dos produtos.

Existe ainda um fator determinante nesta questão: o emocional. Na maioria dos casos, os pródigos possuem algum problema de ordem emocional que se transforma no gatilho para a gastança. No fundo, não deixa de ser uma tentativa de ser aceito pelo grupo, uma forma de demonstrar força e poder, de dizer que está tudo bem.

Lembro-me de atender um cliente de coaching, que nunca conseguiu ter uma vida financeira saudável. Ele era uma pessoa bem sucedida, com um trabalho estável, com um excelente salário, casa própria, carro, mas falido. Tudo que ganhava gastava em farras, bagunça, “amigos”, etc. 

Ao investigarmos juntos os motivos pelo qual ele agia desta forma a resposta pessoal foi surpreendente: “Tenho medo de ficar sozinho! Está é uma maneira que encontrei de manter as pessoas a minha volta!”

Para outro cliente, a prodigalidade era fruto de uma insegurança, todas as vezes que o cliente se sentia desta forma, corria para as lojas. Era uma maneira de eliminar a insegurança, pois comprar lhe dava a falsa sensação de poder.

Estes são apenas alguns exemplos, existem muitos outros motivos pelos quais as pessoas acabam entrando pelo caminho da prodigalidade. Contudo, esta não é uma sentença irrevogável na vida de ninguém. É possível manter o equilíbrio e ter uma vida saudável nesta área. A primeira coisa a fazer é assumir que tem o problema e decidir buscar a ajuda para superá-lo.

Aliás, foi isto que o filho pródigo - aquele da parábola de Jesus - fez: “Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.” (Lucas 15:18,19). Em outras palavras ele estava clamando: “Pai, preciso da sua ajuda!”.

Pense sobre isto!










visite nossa igreja

R. Wilhelm Cristian Kleme, 41 - Tijuca
Teresópolis - Rj - 25975-550
Tel: (21) 3641-5142

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Newsletter

Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.